Simba

Pode parecer bizarro, mas a coisa de que me lembro com mais nitidez é que ele tinha um saquinho que balançava quando ele corria. E era uma graça de ver. Ele corria com a cauda levantada e o saquinho, com as duas bolinhas, balançava para e para cá, como um cacho de uvas com apenas duas uvinhas. Esse saquinho, ou melhor, seu conteúdo e a descarga hormonal que descarregava regularmente em seu pequeno corpo, foram a perdição dele. E o meu erro. Continue lendo